Oftalmologia Mutton Sorocaba

Notícias

Hábitos alimentares e saúde ocular

Provavelmente, sua mãe já te disse para comer determinado alimento alegando fazer bem a sua visão. Se para você isso não passava de uma estratégia para que comesse bem, estava enganado. Existem diversos alimentos que melhoram a capacidade de enxergar e ajudam a combater problemas como glaucoma e degeneração macular.
É fundamental incluir no cardápio alimentos ricos em vitaminas A, C e E, ômega 3, betacaroteno,  ácido  fólico  e  zinco.  A  falta  de  alguns  desses  nutrientes  pode  ocasionar  problemas oculares como acomodação visual, distúrbios na percepção das cores, secura nos olhos, fotofobia (sensibilidade à luz) e cegueira noturna.
Para  melhorar  a  visão,  basta  fazer  algumas  alterações  nos  seus  hábitos  alimentares.  Uma alimentação regrada e equilibrada é uma poderosa arma para manter a boa funcionalidade dos olhos.

A dieta para enxergar bem:

Peixes
Peixes como sardinha, bacalhau, salmão e atum são ricos em ômega 3, gordura essencial para a saúde ocular, e melhoram inclusive  a  secura  nos  olhos.  Além  disso,  são  excelentes  fontes  de  ácidos  graxos  e  vitaminas  A,  B,  D  e  E.  Com  a  ingestão desses nutrientes, que estimulam a boa circulação sanguínea, todas as estruturas oculares, especialmente a retina, recebem bastante oxigênio, possibilitando a visão saudável dos olhos.

Frutas, legumes e verduras

Ricos em vitaminas e sais minerais, as frutas, legumes e verduras de pigmentação  amarela  e  verde  são  fontes  de  carotenoides,  substâncias que previnem a deterioração da mácula, ponto responsável por nos permitir enxergar cores. Esses nutrientes podem ser encontrados em alimentos como laranja, maçã, cenoura, mamão papaia, tangerina,  brócolis  e  couve.  Frutas  vermelhas,  como  morango,  framboesa,  amoras e cerejas, são alimentos antioxidantes, e, portanto, combatem os radicais livres, sendo fontes de vitamina C e de flavonoides. Estas previnem contra a perda de visão e contra a degeneração macular.

Ovos

A  gema  do  ovo  contém  substâncias  como  a  luteína  e  a  zeaxantina,  que  protegem  a  mácula  lútea,  que  é  muito  sensível aos raios ultravioleta. Essas substâncias proporcionam  também  melhora  em  indivíduos  que  possuem catarata  e  previnem  a  degeneração  macular,  que  pode levar  à  cegueira.  Segundo  um  estudo  publicado  no The American Journal of Clinical Nutrition, consumir de dois a quatro ovos por dia durante cinco semanas reduz o risco de degeneração macular em idosos.

Alho, cebola, manjericão e orégano
Ricos em cálcio, fósforo e vitaminas B e C, possuem ação contra os micróbios e vírus. Agem também como dilata-
dores dos vasos sanguíneos, diminuindo a pressão arterial  e  prevenindo  desta  forma  contra  o  glaucoma,  uma
vez que a pressão intraocular é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

Óleo de linhaça
Fonte de vitamina E e dos ácidos graxos, ômega 3, 6 e 9, o óleo de  linhaça  é  um  importante  aliado  no  combate  ao  chamado “olho seco”, problema comum em pessoas de idade avançada, cujos principais sintomas são sensação de ardência, coceira e sensibilidade à luz.

Gorduras limpas
Alimentos como castanha de coco, abacate, azeite de oliva, nozes  e  sementes  ajudam  a  manter  a  boa  visão.  Eles  possuem gorduras e antioxidantes que protegem a camada no fundo do globo ocular, ajudando a afastar possíveis doenças oculares.

Azeite virgem
Rico  em  ômega  3,  o  azeite  virgem  previne  contra  degeneração  macular.  Segundo  o  estudo  publicado  na  revista Archives of  Ophtalmology , recomenda-se  que  seja  ingerido  100  ml  de  azeite por semana a fim de se prevenir ou reduzir a doença.

Evite consumir açúcar e produtos industrializados
Muitos dos problemas de visão são ocasionados devido à ingestão de alguns alimentos. Por exemplo, o consumo excessivo de açúcar e  de  produtos  industrializados  (guloseimas,  biscoitos  e  salgadinhos) provoca deficiência de minerais, vitamina B e antioxidantes essenciais ao nosso organismo, o que desencadeia inflamações destrutivas das fibras nervosas e dos vasos sanguíneos. Com isso, uma das regiões que mais sofre é o nervo óptico, ou mácula lútea,
região amarelada na retina e a responsável pela visão central.

Fonte: CBO